06 abril 2006

Nem mãos, nem pés

Achei muito interessante a descoberta que fiz nestes dias. Na verdade, não é uma descoberta, mas sim uma constatação. O meu ídolo atual, Saramago já leu os livros de Machado de Assis. Digo isso porque, no Dom Casmurro, o Machado de Assis discorre em algumas páginas sobre a vontade própria que tem os pés. Ele diz que, quase sempre, os pés tomam um rumo próprio, e levam o dono dos pés a determinado lugar, sem que este (o dono dos pés) tenha consciência do local para onde está indo. O livro de Saramago, minha leitura atual, "A Caverna", tem como personagem principal um oleiro artesanal, fabricante de pratos, ânforas, moringas e que tais. Em determinada parte do livro ele fala que as mãos tem vontade própria, em suma, fazem o que é preciso fazer para criar uma peça, sem que o oleiro tenha que se preocupar e se programar para executar sua arte. Esta foi a constatação: Saramago é fã de Machado.
Por outro lado, eu acho que realmente o órgão que tem vida própria, uma vida, algumas vezes irresponsável e importuna é o pênis, o órgão erétil e copulador masculino, que se recusa a obedecer nossos comandos do cérebro e cresce em momentos em que deveria ficar quietinho e outras vezes não cresce, quando deveria fazê-lo.
Não quero dizer com isso que os mestres estejam errados, mas sim que o campeão mesmo é o independente e poderoso Bráulio.

2 comentários:

joseciteli disse...

Ola Shiost, aproveitou a literatura e entrou na pornografia, a meu ver. Submeti o texto a apreciacao de um ex-padre que aprovou sem restricoes e tambem gostou da aula de tabagismo. Pena que nao registrou aqui seu comentario.
escreve que eu leio e comento.

joseciteli disse...

Oi Shiost, fiquei procurando e achei o comentario do mineiro la no outro texto seu AMIGO E PRA ESSAS COISAS, alias, um bom comentario, complementado por um segundo.