Ocorreu um erro neste gadget

02 maio 2006

The book is on the table

No século passado, mais ou menos em 1983,1984 me voltei ao estudo do inglês com uma excelente professora particular. A Lígia, irmã do Ricardo Galzerano. Estava craque nas gramáticas e bem avançado nas conjugações mais complicadas e voltava para casa carregado de exercícios e livros específicos para ampliar meu vocabulário. Nesta época, eu me lembro bem, teve lugar minha maior atividade de consertos e afazeres domésticos. Era um tal de eu consertar torneiras, trocar chuveiros, instalar novos lustres, tirar os novos e colocar os antigos, arrumar as antenas de TV, lustrar sapatos, lavar louça, organizar as fotos das crianças, arrumar minhas gavetas de cueca, etc. Tudo para não estudar inglês. A aula era semanal e no dia anterior eu fazia os exercícios correndo e lia o livro que podia, de manhã, no dia de aula, no trono. O jornal, neste dia, ficaria para a noite. Como não podia deixar de ser, deixei de ser aluno da querida professora e parei com o inglês. Felizmente o inglês falado não me fez falta, mas, o que aprendi naquela ocasião me deixou muito à vontade para ler tudo o que vai pela internet e pelos artigos técnicos voltados a minha área. Mas, o New York Times, esse não dá prá ler não. Porém, o que mais me entristece e é parte integrante da minha pesonalidade é a total inibição que tenho quando aparece uma oportunidade de falar com alguém nesta língua. Fico mudo e, quando falo qualquer coisa, sai tudo errado. E o pior é que, se eu fosse escrever o que deveria ter falado, sai tudo direitinho. Psicólogos, me aguardem. Existe aqui um cliente em potencial.

Um comentário:

caos e ordem disse...

Olá Shiost, que coincidência, não tinha lido seu BOOK ON THE TABLE, li agora à noite com 24 horas de atraso. Coincidência que sem ter lido, hoje cedo também escrevi sobre minha professora de Inglês. Falar eu falo, se o cara for meio esperto consegue me entender, agora entender o que eles falam é que são elas, mas eu ainda chego lá.

escreve que eu leio e comento, nem que seja atrasado.