29 abril 2008

AVE, SÊNECA!

Finalmente encontrei um parceiro. E um parceiro de peso. O filósofo Sêneca, aparecido no ano um da era cristã. Muito superior a esses magos neurolinguísticos e segredísticos da atualidade, mesmo porque foi tutor do grande tirano Nero e escritor de grandes livros, um deles, "Da ira". Sei que pediu duas vezes a conta do cargo de tutor de Nero mas foi-lhe negado o pedido, com grandes abraços e beijos. A história é a seguinte: Os grandes magos de hoje escrevem e ganham rios de dinheiro dizendo que você deve direcionar seu pensamento para a conquista de tudo o que você quer, inclusive as impossíveis, através da manipulação do seu cérebro. Houve até firmas de marketing multinível que estimulavam seus comparsas a visitar agências de carros Mercedes, BMW e solicitar aos vendedores um teste drive, quando eles não tinham grana nem para um fusquinha zero. Tudo pelo poder do pensamento positivo.
Sêneca, ao contrário, tentava ensinar ao mundo que o ser humano deve ser em muitas ocasiões pessimista, pois o otimismo só podia levar à ira. Caso típico: Um motorista de táxi, em São Paulo, passa o dia todo xingando os demais motoristas pois tem em sua mente que, um dia, não vai ser fechado por nenhum carro, nenhum motoqueiro vai passar fazendo PI, PI, PI, PI entre a última e penúltima faixa da Marginal e que o motorista de trás vai deixar ele mudar de faixa. Se ele percebesse que a tendência do trânsito é piorar cada vez mais, deixaria de lado o xingamento e se conformaria com as barbeiragens dos outros motoristas. E assim em vários os outros aspectos, do relacionamento profissional até o pessoal.
Desta forma, acho que a filosofia de Sêneca, hoje com mais de 2007 anos, é muito mais certa que a desses magos da atualidade. Outra diferença: Ele não precisava vender livros para ficar rico. Já era.

Esta não é a lanterna de Diógenes. aquele que procurava um homem.

8 comentários:

irmãcaçula disse...

VIIIVVVAAAAA!!!!!!
O Mano Shiost está de volta, o GURU dos blogueiros e ainda por cima com a tese pessimista de Sêneca com a qual sou obrigada a concordar em parte.
Atenção comentaristas:à postos!!!

NiceBarth disse...

O BOM FILHO À CASA TORNA!!!! E traz Sêneca com ele...

caos e ordem disse...

Nunca prestei atenção no Seneca, mas no Shiost eu presto.
Talvez nosso -guru dos blogueiros - seja um otimista disfarçado de pessimista, e com isso tem conseguido ir em frente.
Quando aos tais que ganham dinheiro escrevendo, vamos reconhecer que gostariamos muito de fazer o mesmo.

irmãcaçula disse...

Eu gostaria de ter esse dom nem que fosse para não ganhar nada, só a minha satisfação pessoal.

Anônimo disse...

Rufem os tambores! Trombeteiem as trombetas! Reboem os canhões! Cantem aleluias os serafins! ELE VOLTOU. E voltou bom, com um texto bem provocativo. Continuem vivos os pessimistas para equilibrar o mundo (o universo). Eu estou do outro lado: irmão do Otimista incorrigível.
Só uma coisa vos peço, senhor (sem S)
continue escrevendo. É bom pra você; é melhor para nós. Suas provocações mexem com nossos poucos neurônios e nos põem a pensar. Timtim

NiceBarth disse...

AVE, SHIOST!!!!!!!!!!!!
Ave Maria! Onde está você?
Chega de sumiço! Você abandona a gente e até os Provérbios foram ROUBADOS!!!!!!!!!!
Sumiram várias publicações? Como é que pode?

E será que você vai pelo menos responder aqui o que está acontecendo?

Anônimo disse...

Não li o post inteiro mas, pelo pouco que vi, Sêneca passou a pensar em algo que hoje é mais 'elaborado' no pensamento de outros filósofos - esses que andam entre nós, escrevem livros e não se preocupam em ganhar rios de dinheiro... Aliás, estou lendo o livro de duas dessas filósofas, rsrs. Muito bom! =]
Bem, na verdade eu vim aqui pra agradecer o comentário e dizer que "nossa é um alívio saber ue existe alguém tão mais preocupado com o governo Lula do que eu... ufa!"
Att.,
Ma.

NiceBarth disse...

Alô! Shiost? Está aí?
Estamos esperando por seus "posts", ou seja, pelos seus "postes de luz" nas trevas da nossa assintomatologia...
Fiquei tão feliz pelo seu comentário n'"O Moço da Locadora"! Pensei que estava de volta...
Venha! Vamos dançar e revolutear aos sons bèlabartokianos de sua música filosófica!